Alguns pontos para entender a rivalidade histórica entre o Irã e a Arábia Saudita (e quão próximas elas estão de um conflito armado)

O Irã e a Arábia Saudita são há muito rivais.

O ataque deste final de semana às principais instalações petrolíferas sauditas – que os governos de Riyadh e Washington culpam o Irã – voltou a enfatizar as relações entre os dois países.

 O que se sabe sobre os ataques à principal refinaria de petróleo do mundo e que efeito eles podem ter no preço do petróleo bruto

 Saudi Aramco, a empresa de petróleo mais lucrativa do mundo que foi alvo de ataques de “drones” (e que pode causar um aumento drástico nos preços do petróleo)

Mas qual é a origem dessa rivalidade histórica? Nós damos a resposta em 5 chaves.

1. Por que o Irã e a Arábia Saudita não se dão bem?

Os dois países – ambos vizinhos poderosos – estão em uma luta feroz pelo domínio regional.

A isto se acrescenta que a disputa em que estão há décadas é exacerbada por diferenças religiosas, uma vez que cada país segue um dos dois principais ramos do Islã: o Irã é principalmente xiita, enquanto a Arábia Saudita é considerada a principal poder muçulmano sunita.

Esse cisma religioso pode ser visto refletido no resto do Oriente Médio, também dividido entre xiitas e sunitas. Alguns dos países que compõem a região buscam apoio e orientação no Irã ou na Arábia Saudita, dependendo de sua inclinação religiosa.

Historicamente, a Arábia Saudita, monarquia e lar do local de nascimento do Islã, se considerava a líder do mundo muçulmano.

No entanto, isso foi desafiado em 1979 pela revolução islâmica no Irã, que criou um novo tipo de estado na região, uma espécie de teocracia revolucionária que tinha o objetivo explícito de exportar sua ideologia para além de suas fronteiras.

Nos últimos 15 anos, em particular, as diferenças entre a Arábia Saudita e o Irã aumentaram devido a vários eventos.

Por um lado, a invasão do Iraque liderada pelos EUA em 2003, na qual Saddam Hussein foi derrubado, um árabe sunita que havia sido um grande adversário iraniano, que também eliminou um contrapeso militar crucial para o Irã e abriu caminho para um governo. dominado pelos xiitas em Bagdá.

A influência iraniana no país aumentou desde então.

 O que se sabe sobre os ataques à principal refinaria de petróleo do mundo e que efeito eles podem ter no preço do petróleo bruto

Então, em 2011, levantes em todo o mundo árabe causaram instabilidade política na região. O Irã e a Arábia Saudita se aproveitaram desses conflitos para expandir sua influência, especialmente na Síria, Bahrein e Iêmen, o que aumentou ainda mais a desconfiança mútua.

Os críticos iranianos dizem que pretendem se estabelecer – ou seus representantes na região – e obter o controle de um corredor de terra que se estende do Irã ao Mediterrâneo.

2. Como as coisas pioraram?

A rivalidade estratégica entre os dois países está piorando porque o Irã está vencendo a luta regional de várias maneiras.

Na Síria, por exemplo, o apoio iraniano (e russo) ao presidente Bashar al-Assad permitiu que as forças do governo superassem muito os grupos apoiados pela Arábia Saudita.

A isto se acrescenta que, embora a Arábia Saudita tente desesperadamente conter a crescente influência iraniana, o impulso militar do jovem e impulsivo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman – o governante de fato do país – exacerba as tensões regionais.

Bin Salman está liderando uma guerra contra o movimento rebelde houthi no país vizinho, o Iêmen. Isso é parcialmente para conter a percepção da influência iraniana, mas depois de quatro anos a estratégia está se tornando uma aposta cara.

Arábia Saudita: como o ataque às instalações da Aramco afeta o preço do petróleo

Por seu lado, o Irã negou as acusações de contrabando de armas para os houthis, embora vários relatórios de um painel de especialistas da ONU tenham mostrado que o grupo rebelde recebeu apoio significativo de Teerã em termos de tecnologia e armas.

Enquanto isso, no Líbano, um país aliado do Irã, o grupo xiita Hezbollah lidera um bloco politicamente poderoso e controla uma enorme força de combate bem armada.

Muitos observadores acreditam que os sauditas forçaram o primeiro-ministro libanês Saad Hariri – a quem eles apoiam – a renunciar em 2017 pela participação do Hezbollah em conflitos regionais. Hariri mais tarde retornou ao Líbano e suspendeu sua renúncia.

Existem também forças externas envolvidas. A Arábia Saudita foi encorajada pelo apoio do governo do presidente dos EUA, Donald Trump, enquanto Israel, que vê o Irã como uma ameaça mortal, de alguma forma “apóia” o esforço saudita de conter Teerã.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BR
es_ES pt_BR